segunda-feira, 8 de junho de 2009

Conservar o património religioso

Conservar o património religioso
II Fórum de Arquitectura Religiosa promovido pela Turel regista dificuldades financeiras


Apenas 10% do que é património religioso em Portugal está dependente da construção. A grande preocupação está na área da conservação e restauro, pois o "volume de património é inversamente proporcional aos recursos financeiros existentes e disponíveis para intervenções", indica à AGÊNCIA ECCLESIA Varico Pereira, director técnico da Turel - Cooperativa de Promoção de Turismo Religioso.
A Turel regista uma crescente preocupação e sensibilização para a área patrimonial que vai envolvendo os responsáveis, mas "há ainda muito por fazer". O director técnico afirma que esta intervenção "não passa por trabalho de amadores mas por técnicos especializados na matéria. Se não houver intervenção está em risco a perda patrimonial".
Em causa está a possibilidade de se investir no turismo religioso e cultural. "Sem descurar a função religiosa e espiritual, a requalificação irá também promover o turismo cultural", explica Varico Pereira, assinalando que também o turismo pode ser uma ajuda à conservação do património.
Construção, conservação e restauro do património religioso foram as três tónicas que dominaram o II Fórum de Arquitectura Religiosa, promovido pela Turel. Esta cooperativa investe na salvaguarda e promoção do património religioso, trabalhando com as autarquias, as dioceses e entidades estatais. O recurso a programas comunitários tem permitido investir na salvaguarda patrimonial. Recentemente a Turel protocolou com a diocese de Lamego a requalificação de três igrejas. Varico Pereira assinala que "aos poucos, percebe-se a importância que o património religioso tem e a importância para a manutenção do património".
No decorrer do Fórum a diocese de Braga foi distinguida pela prática de conservação e restauro. Também da diocese de Braga, este D. Jorge Ortiga que pediu aos presentes, enquanto presidente da Conferência Episcopal Portuguesa e Arcebispo de Braga, que envolvam e auscultem as comunidades na construção religiosa e não apenas quando o projecto está terminado.
Varico Pereira assinala que o apelo do Arcebispo Primaz foi "bem acolhido pelos presentes, nomeadamente entre muitos arquitectos que estavam a participar no Fórum", destacando que as "especificidades arquitectónicas, no âmbito religioso, que devem ser consideradas".
D. Jorge Ortiga, pediu mesmo aos arquitectos para que, em questões que envolvam projectos de ordem religiosa, procurem manter a seriedade e profissionalismo e "não se vendam" a gostos duvidosos de "algumas comissões de festas que, por terem algum dinheiro, consideram poder fazer o que querem". O Arcebispo apelou para que haja mais diálogo entre todas as partes envolvidas neste tipo de projectos arquitectónicos.
Já João Soalheiro, director do Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja, afirmou que "a arquitectura é um acessório incontornável da liturgia", sendo que a segunda se sobrepõe sempre à primeira.
Sobre a sensibilização para a preservação do património, o director dos Bens Culturais afirma ser "algo já adquirido pelos agentes pastorais", destacando que "hoje já ninguém questiona que uma intervenção na preservação e conservação do património tem de ser feita por técnicos capazes".
O Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja revelou que, nos próximos dias 17 e 18, Braga vai acolher o II Conselho Nacional dos Bens Culturais da Igreja, dedicado como o primeiro aos arquivos da Igreja e com o título "Memória das comunidades ao serviço da sociedade".
Brevemente a Turel organiza as IV Jornadas Luso Galaicas de Turismo Cultural e Religioso dedicando-se também a projectos locais com as dioceses.


In Agência Ecclesia, Com Diário do Minho
http://www.agencia.ecclesia.pt/cgi-bin/noticia.pl?id=73533

Sem comentários:

CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE BENS CULTURAIS - Fan Box

Arquivo do blogue / Blog Archive